economia

definição de força de trabalho

Há trabalhos que exigem do trabalhador que os executa um maior empenho físico, mais força, enquanto há outros que exigem menos intervenção da parte física e mais da mental, em qualquer caso e para além desta, sempre , ambas as perguntas, o físico e o mental, intervir no conclusão de qualquer trabalho e, portanto, ambos serão considerados como condições básicas e muito importantes.

Enquanto isso, é essa combinação de físico e mente, ambos a serviço do trabalho, que vai determinar a força de trabalho e, portanto, a capacidade de um indivíduo, física e mental, para realizar esta ou aquela tarefa de trabalho.

Qualquer trabalho exige que ambas as capacidades estejam presentes, mesmo aqueles trabalhos que têm maior demanda de força, em determinado momento precisam de uma mente que direcione movimentos, esforços, entre outros. E é por isso que observamos no início que, tanto física quanto mentalmente, são essenciais para fazer um trabalho com sucesso.

O conceito de força de trabalho aparece pela primeira vez formalmente na pena do Filósofo alemão Karl Marx, que o menciona pela primeira vez em sua obra mais reconhecida, O capital, publicado em 1867.

Assim, a força de trabalho é uma das criações mais relevantes da doutrina marxista que Marx desenvolveu no século 19, como sua grande precursora.

Na citada obra O Capital, Marx propõe como ideal a realização de um sociedade em que não há diferenciação de classes. Nesse sentido, o processo produtivo, suas forças de produção e relações produtivas tornam-se um bem social.

Na calçada em frente a esta proposta, encontramos o capitalismo que assumiu o trabalho, ou seja, compra a mão-de-obra por meio de uma quantia em dinheiro que é paga ao trabalhador. Isso é o que o marxismo tem lutado historicamente.

Enquanto isso, neste contexto capitalista, para Marx, a força de trabalho é uma mercadoria produzida pelo trabalhador e paga pelo capitalista. O valor pago é calculado com base no tempo investido para produzi-lo. Enquanto este modelo persistir, o trabalhador nunca poderá possuir os meios de produção que o capitalista possui e estará condenado a vender sua força de trabalho para sobreviver na sociedade capitalista.