em geral

definição de alienação

O conceito de alienação Ele contém várias referências que estarão intimamente relacionadas ao contexto em que o termo é usado.

Lei: transferência de um bem de uma propriedade para outra

No Direito, a alienação supõe o transferência de um direito real de uma propriedade para outra, isto é, transferir os direitos ou propriedade de uma coisa para outra.

Por exemplo, quando alguém vende uma casa para outra, estará incorrendo na alienação desse ativo.

Este sentido do termo não é tão amplamente utilizado na linguagem comum, mas é mais frequente encontrarmos o uso de um de seus sinônimos, transferir, para dar conta da ação e do resultado de vender algo.

O oposto de alienação, neste sentido, seria compra.

Psicologia: Falta de sanidade e consciência da ação que impossibilita assumir responsabilidades

Por outro lado, em termos de psicologia, a alienação implica a perda de sanidade, isto é, demência, a loucura de alguém.

A alienação mental consiste em uma alteração das faculdades psíquicas de uma pessoa que a impedirá de ter plena consciência de seus comportamentos e da impossibilidade de assumir responsabilidades por eles.

A pedido do direito penal, se for comprovado de forma fiável através da perícia médica correspondente, a alienação pode ser causa determinante para eximir a pessoa da responsabilidade por crime comprovadamente cometido e, em consequência, o os tribunais geralmente decidem em tais casos que a pessoa seja confinada em uma instituição psiquiátrica sem ter que cumprir uma pena de prisão, como normalmente é esperado quando esta patologia não medeia em um criminoso.

No entanto, isso não o exime de suas ações e, portanto, ele não poderá deixar sua internação sob qualquer ponto de vista, exceto se o tribunal que o julgou decidir.

As causas que desencadeiam este problema de saúde podem ser variadas, entre elas: traumatismo cranioencefálico, dependência e abuso de várias drogas, alguma situação específica superestressante que pode ser produto de um ritmo excessivo de vida e de trabalho, fato esse que resulta ser um constante na vida desses tempos.

Em qualquer caso, a ideia é sempre preservar a integridade da pessoa e de terceiros que possam ser afetados por suas ações, o que, como vimos, não está dentro dos parâmetros mentais normais.

Guardião e tutela para representar o alienado

Quem se encontra nesta situação, por exemplo, não poderá funcionar civilmente com a liberdade que qualquer outra pessoa, mesmo sendo maior de idade, pois será considerada inapta e, portanto, deverá ser orientada por um tutor, que o fará têm a missão de examinar cada uma das suas etapas, ou na sua falta, será determinada a figura da tutela, o que implica que o juiz designe um representante legal para essa pessoa.

A curadoria terá por objetivo a intervenção do curador nos atos dos alienados, sendo anulados os atos de qualquer natureza praticados sem a intervenção deste último, quando previsto.

Além disso, em matéria penal, o alienado não pode ser acusado de nada, pois não é responsável pelos atos que pratica, como já indicamos.

Ressalte-se que a alienação é uma patologia mental permanente em quem a sofre, ou seja, não é que possa desaparecer, o estado de alteração permanece permanente e essa é a principal diferença com o transtorno mental que é transitório.

A partir do século XIX é reconhecida como doença mental.

Entre os sinônimos mais populares para esta referência, encontramos o de loucura, que também tem um uso mais difundido do que o conceito de alienação.

Quando alguém perde a cabeça, é mais comum dizermos que ele sofre de loucura.

A pessoa que sofre desta circunstância médica é denominada alienada

Enquanto isso, a palavra oposta é a de sanidade.

Falta de atenção

Por outro lado, a palavra alienação é amplamente usada na linguagem comum para indicar o distração ou falta de atenção que um indivíduo apresenta para algo ou alguém.