Ciência

definição de filosofia como ciência

Desde que o homem é homem, ele se senta para refletir sobre a origem do universo, o significado das coisas e sobre sua própria existência. É sobre isso que falamos quando nos referimos a filosofia, que etimologicamente significa "amor à sabedoria" e que constitui a prática metódica dessas reflexões. Embora compartilhe o questionamento último da existência humana com a religião, a filosofia é baseada no raciocínio crítico e sistematizado, aberto ao debate e à reformulação. No entanto, tem sido debatido se pode ser considerado A filosofia como ciência, dada a ausência dos conteúdos experimentais ou empíricos que caracterizam as ciências factuais tradicionais.

No entanto, deve-se notar que a filosofia pode ser praticada em qualquer contexto, mas sua execução mais sistemática é aquela que conhecemos hoje quando a estudamos como Ciência. Embora alguns atribuam a origem do estudo filosófico aos egípcios, os primeiros filósofos que foram realmente referenciados são, é claro, gregos e são conhecidos como "pré-socráticos". A partir de agora e seguindo diferentes correntes, encontraremos Platão, discípulo de Sócrates (de quem nenhum documento escrito foi preservado e só é conhecido por referências platônicas), que encontrará em Aristóteles uma primeira oposição filosófica. Textos platônicos tornaram possível reconhecer a sistematização do conhecimento socrático, típica do esplendor inicial de Atenas, em contraste com as obras aristotélicas completas que marcaram grande parte dos conceitos filosóficos do mundo antigo, incluindo o posterior Império Romano.

A Idade Média foi certamente um período tenebroso para a prática dessas meditações, embora um de seus mais altos representantes tenha sido Santo Tomás de Aquino, religioso cristão que, além disso, queria provar a existência de Deus por meio de um exame crítico. É oportuno enfatizar que São Tomás tentou com notável sucesso aplicar o modo de Aristóteles à luz de sua fé no Cristianismo, dando origem ao chamado Filosofia tomista, que ainda hoje é um dos pilares mais aplicados por essa ciência no Ocidente.

É provável que, quando você ouve falar de filosofia, essa disciplina esteja associada ao estudo mais moderno dessa ciência. Talvez você tenha ouvido algo sobre Descartes, Locke, Hume ou Kant, todos eles grandes expoentes da filosofia que se baseia em qualquer razão (e é por isso que alguns são chamados de racionalistas), ou experiência (e estes são chamados empiristas). Ambas as correntes marcaram caminhos com convergências ou divergências variadas durante a Idade Moderna, cujas repercussões ainda são percebidas no conhecimento filosófico dos tempos atuais. No entanto, a filosofia moderna tardia se aproxima de nós e inclui pensadores alemães como Hegel, Engels e Nietzsche. Este deu início à fase existencialista da disciplina, tornando-se um filósofo revolucionário, muitas vezes mal interpretado, principalmente pelos movimentos totalitários europeus do século XX. Foi precisamente nesse século que predominou a segmentação da filosofia em ramos muito mais específicos, como a fenomenologia, o existencialismo, a hermenêutica, o estruturalismo e o pós-estruturalismo. Esta complexidade progressiva das doutrinas levou a diferentes aspectos da A filosofia Hoje se tornaram ciências com entidade própria, e entre elas podem ser incluídas a metafísica, a ontologia, a cosmologia, a lógica, a gnoseologia, a epistemologia, a ética e a estética, entre muitas outras. A filosofia também encontrou sua aplicação no estudo da matemática, das ciências sociais e muitas outras, especialmente nas disciplinas em que o conteúdo científico puramente empírico se funde com um componente acentuado de natureza moral ou cultural, como é o caso da medicina.

Por sua vez, vale a pena mencionar aqui que a história da filosofia Como a conhecemos, ela é traçada a partir dos passos que essa ciência percorreu no Ocidente. Portanto, para abordar a filosofia em toda a sua plenitude, devemos tratar também de tudo o que aconteceu durante esses séculos no Oriente, onde podemos encontrar grandes filósofos como o chinês Confúcio. Assim, inúmeros movimentos religiosos e místicos na Ásia deram origem a extensas correntes filosóficas, como o já citado confucionismo e diversos aspectos que, com nuances diversas, se originaram no Japão ou na China. Por outro lado, o subcontinente indiano é, sem dúvida, um profundo berço filosófico, no qual diferentes culturas deram origem a complexas escolas de filosofia que marcaram durante séculos a cultura da Índia e das nações vizinhas.